Forum dedicado ao campo de paintball DELTA BASE PAINTBALL
 
InícioCalendárioFAQBuscarRegistrar-seConectar-se
Conectar-se
Nome de usuário:
Senha:
Conexão automática: 
:: Esqueci minha senha
Últimos assuntos
» <<<AVISO IMPORTANTE>>>
Sab 11 Ago 2012, 11:22 am por OBSJR

» aero paintball
Ter 07 Ago 2012, 4:59 pm por renato

» AEROFAZENDA BILUCA
Dom 22 Jul 2012, 2:04 pm por renato

» SÁBADO CHAMADA XXVIII DIA 02 JUNHO
Qui 31 Maio 2012, 9:26 pm por renato

» CHAMADA XXVII JOGO DE PAINTBALL 2012
Ter 29 Maio 2012, 7:18 am por Boaz

» CHAMADA XXIV JOGO 2012
Sex 11 Maio 2012, 11:24 am por Convidado

» CHAMADA XXII JOGO PAINTBALL 2012
Sex 04 Maio 2012, 9:02 am por Convidado

» CHAMADA XXI JOGO PAINTBALL 2012 DIA 27 ABRIL 2012
Sex 27 Abr 2012, 12:14 pm por renato

» Jogo Terça Feira - 25/04/2012 - 18:15hrs
Ter 24 Abr 2012, 7:38 am por Convidado

Buscar
 
 

Resultados por:
 
Rechercher Busca avançada

Compartilhe | 
 

 Taticas de CQB

Ir em baixo 
AutorMensagem
Ibsenbr

avatar

Mensagens : 55
Data de inscrição : 24/10/2010
Idade : 37
Localização : Macaé RJ / Santa Rita do Sapucai MG
Time de Paintball : LOBOS PAINTBALL TEAM

MensagemAssunto: Taticas de CQB   Seg 24 Jan 2011, 11:44 am

Táticas de CQB

MOVIMENTAÇÃO TÁTICA – CQB (Close Quarter Battle)



Fonte original: http://pereiraportolan.blogspot.com
Obs. algumas palavras, foram adaptadas para entendimento em nosso esporte.

- Observação: Todas as fotos onde são vistos armamentos reais, se prestam apenas à instrução teórica. O Paintball não tem nenhuma relação com armas de fogo e similares.

Entenda-se, pois, que o Combate/Confronto em Ambiente Fechado nada mais é do que a ação conjunta e tática de grupos – especializados e devidamente treinados para tanto – em locais onde o elemento surpresa é preponderante.



Os ambientes internos desfavorecem tais operações, pela quase sempre falta prévia de conhecimento da planta do local, inexistência de cobertura, pequeno espaço nos cômodos para movimentação e principalmente a ampla possibilidade de emboscada. São construções, residências, vielas estreitas, escadarias, etc., onde a visibilidade é diminuída por obstáculos tais como muros, paredes, portas, janelas, e tudo quanto ao mais impossibilite a plena visão periférica do local.

Em situações tais, prevalecerá sempre o bom senso, a higidez mental e física, e mais do que tudo, as aplicações técnico-táticas de seu aprendizado e treinamento constante. O Jogador age não isoladamente, mas com mentalidade de grupo, com força de um time que antecipará, sempre, todos os movimentos da própria equipe e da força adversária.

Como ponto inicial, a POSTURA do jogador necessita de um enfoque todo especial. Em situais CQB, deve-se adotar uma postura ofensiva, o que certamente virá a tornar o tempo de reação do operativo muito menor em relação a qualquer situação. O marcador deverá estar seguro por ambas as mãos, na altura dos ombros/olhos, fazendo-se a mira normal de combate. Os dois olhos abertos permitirão que o jogador tenha uma visão completa de todo o limitado perímetro, fazendo uma varredura em todas as direções, na altura das miras de seu marcador, o que se chama de “tática do terceiro olho”.

Deve ser lembrado que, ao se passar por vãos, janelas, portas ou quaisquer tipos de abertura, deverão o jogador retrair o marcador, trazendo-a junto ao seu corpo, ainda em postura ofensiva, evitando que por deslize ela lhe seja arrancada das mãos por um oponente escondido do outro lado.

É primordial esta postura ofensiva, evitando-se os fantasiosos estilos de combate de filmes “enlatados”, onde se vê o completo descaso de atores em arremedos de policiais, mantendo armas em seus coldres abertos, ou apontadas para baixo, para cima ou para os lados. Tais posturas – ditas defensivas – podem ter emprego em outras situações que não sejam CQB, mas deixam a desejar quanto à necessidade de sobrevivência do jogador.

A MOVIMENTAÇÃO do jogador em sede de CQB deve ser feita com extrema cautela, no maior silêncio possível, preferencialmente com comunicação visual (gestos preestabelecidos) entre a equipe. Deve-se evitar o cruzamento das pernas ao andar, o que poderá ocasionar perda de equilíbrio em um momento crítico.

Passos seguros, silenciosos e firmes são recomendados, acobertados o operativo por paredes, barricadas ou escudos. Deve-se evitar o uso de bonés ou chapéus de abas largas, que impossibilitem um deslocamento seguro. Utilizando-se bonés, devem estar com a aba voltada para trás, facilitando a visão e o deslocamento.



Operantes das Forças Especiais em treinamento de tiro em movimento

Movimentando-se em CORREDORES e VIELAS, a atenção do Time deve ser redobrada. Não existe muito espaço, e a possibilidade de proteção se torna restrita. A existência de uma rota segura de fuga será praticamente nula. A flexibilidade de movimentos e a rapidez em se ultrapassar tais locais são questões importantíssimas para a sobrevivência do Time.

Em manobras desse tipo, os times (formados por dois, quatro, seis ou, no máximo, oito elementos) devem estar compactos, formando um verdadeiro “caminho de cobra”, uma fila (ou duas, dependendo da largura do local) em que o primeiro elemento estará dando proteção aos demais, que estarão “escondidos” atrás de seu próprio corpo. A reação do elemento de frente, em face de qualquer ato de agressão do(s) oponente(s) deverá ser imediata, efetuando uma verdadeira “barragem” de disparos que venha a facilitar um seguro posicionamento dos demais integrantes do time.

Nestas situações, é aconselhável que o elemento de frente esteja portando equipamento de alto poder de disparo (eletrônica), sendo desaconselhável para seu uso marcadoras mecanicas, pela baixa cadência de disparos. Entretanto, estando o primeiro elemento usando um escudo balístico, pode posicionar-se defensivamente, dando proteção aos companheiros de trás.

Ao último integrante do time, que estará fechando o “caminho de cobra”, é dada a missão de garantir a segurança de todos contra eventual ataque ou emboscada pelas costas do esquadrão. Deverá este “elemento-segurança” do time avançar de costas, visualizando a parte de trás do ambiente já percorrido. Para tanto, deverá empreender treinamento árduo neste sentido. Uma boa técnica é aquela em que encostará suas próprias costas nas costas do companheiro logo a sua frente, permitindo não perder o contato com o time, mantendo assim sua compactação.

Os demais componentes do Time, que estarão no meio do “caminho de cobra” deverão estar, portanto suas armas nas mãos, trazendo os braços junto ao peito, em “postura ofensiva de espera”.

Em escadas, é sempre mais fácil combater de cima para baixo, pois se perde muito menos tempo descendo uma escada do que ao subi-la. Além do mais, o jogador poderá fazer com que o oponente tenha uma via de escape, proporcionando a sua captura por outros jogadores aliados que eventualmente estejam do lado de fora do prédio. Subindo, o jogador irá encurralar o oponente, forçando-o a enfrentá-lo. Assim sendo, em havendo opção, o jogador deve realizar a busca descendo a escadaria.

É importante salientar que muitas escadas possuem cortes de ângulos retos, o que dificulta a visualização do que está por trás. Desta forma, faz-se mister utilizar as técnicas já descritas para se operar com maior segurança, devendo-se sempre manter a arma como o seu “Terceiro Olho”.

Durante confrontos armados, especialmente em situações de combate em recintos confinados, o controle sobre e a retenção do seu marcador é de suma importância. Todo atirador sabe que, durante qualquer situação envolvendo o manuseio de armas, devemos estar 100% cientes para onde está apontado o cano do nosso marcador. Todos nós fomos ensinados a manter nossos marcadores apontadas em uma direção segura, ou seja, apontada para o chão em um ângulo de 45 graus (Posição Sul).



Combatente em patrulhamento, portando seu armamento em condição tática – Posição Sul

Quem já não se pegou expondo seu marcador através de portas ou quinas, onde seria muito fácil para alguém com um pouco de convicção desarmá-lo? E os nossos bravos guerreiros que fazem parte de grupos de operações especiais, quantas vezes já se enfileiraram em frente de uma edificação prontos para efetuar uma entrada tática e viram o cano do marcador de um colega apontado para as costas, ou pior para a cabeça de outro parceiro (o efeito dos filmes de ação e suas “táticas” hollywoodianas de portar armas)?

Muitos treinadores passaram anos falando para seus alunos tomarem cuidado sobre onde apontarem as suas armas, mas ninguém realmente tentou desenvolver uma posição melhor e mais segura. A resposta para esta posição mais segura muito bem pode ser a Posição Sul.

Observação: Apesar de ser uma técnica válida, não recomendamos aos jogadores de Paintball que agarrem, ou tentem agarrar os Marcadores dos Adversários, sob riscos de serem alvejados à queima roupa, o que poderia promover traumas severos e permanentes.

Existem duas técnicas mais adequadas às situações de rotina, que devem ser preferidas às “entradas dinâmicas”. São elas a “Israeli Sweep” e “Quick Peek”.

Varredura Israelense (“Israeli Sweep”)


Também chamada de “Slicing the Pie” (fatiando a torta), consiste em utilizar-se o “terceiro olho”, onde o operativo deve se esgueirar em postura ofensiva rente à parede, estancando a um metro da porta ou entrada. Então, bem devagar, deverá se deslocar para o lado, passo a passo, visualizando cada vez mais o ambiente interno do aposento que se pretende adentrar, aumentando seu ângulo de visão até obter a varredura do todo o perímetro. É uma técnica muito segura – embora lenta – que permite o retorno imediato a um local de segurança em caso de imprevisto.

Quick Peek

É mais rápida e arrojada, porém menos segura. O Jogador que a adotar deverá possuir excelente visão, acima do normal, e agilidade especial. Consiste em posicionar-se o operativo atrás de uma parede que ladeie a porta ou entrada, bem rente desta, e jogar rapidamente a cabeça para fora da proteção, visualizando o local, retornando imediatamente à segurança. Se necessária for uma nova espiada, a posição do operativo – por razões óbvias de segurança – deverá ser outra. Se fizer a primeira em pé, deverá repeti-la agachados, evitando assim denunciar a sua localização para o oponente.

O momento crucial de qualquer operação CQB é aquele em que antecede a entrada em outro aposento. Usualmente, não se sabe que tipo de obstáculo, construção ou localização de móveis se encontrará do outro lado. A possibilidade de um ou mais oponentes estarem alojados em tal cômodo, à espreita, é uma possibilidade. Deve-se, na maioria das vezes, evitar uma “entrada dinâmica”. Estas entradas têm sua aplicação em casos especialíssimos, onde a ação deva ser rápida, de varredura, busca acerto e incapacitarão do oponente, sabendo-se de antemão o seu número, localização e disposição do ambiente físico a ser encontrado, mesmo assim com alto risco.

Após obter a visualização completa do ambiente a ser penetrado, chega-se a fase de efetiva ENTRADA no aposento. Duas técnicas são utilizadas hoje pela maioria dos grupos especializados em CQB: a denominada “Israeli Limited Entry” (Entrada Limitada Israelense) e a “Crisscross” (Entrada Cruzada).

Israeli Limited Entry

Pressupõe-se que, após a visualização inicial, tenha-se verificado com quase 100% de certeza que o cômodo esteja vazio. Neste caso, o operativo deverá utilizar-se de uma entrada rápida, posicionando apenas a cabeça e o tronco fora da proteção, visualizando o ambiente, assim ficando até fazer a varredura – com o marcador e utilizando-se da técnica do “terceiro olho” – do local. Após a confirmação de que está “limpo”, nele adentrar, e prosseguir na operação.
Entretanto, a técnica mais utilizada e mais eficaz é a conhecida como “Crisscross”.



Operantes em ação de combate, realizando uma entrada tática ao moldes do Israely Limited Entry

Crisscross


Deve ser realizada aos pares, nunca individualmente. Consiste na entrada rápida e fulminante de dois, quatro ou seis jogadores no aposento, cada par aproximando-se de lados opostos da entrada, em situação de postura ofensiva e em segurança. Após a varredura inicial (visualização feita por ambos em qualquer um dos métodos indicados) devem penetrar no ambiente, cruzando-se na entrada, posicionando-se em lados opostos, com as costas na parede, varrendo efetivamente todo o local. Caso seja a técnica executada por dois ou três pares de Jogadores, o primeiro par deverá adentrar o recinto e posicionar-se rente ao chão, agachados, permitindo que as demais duplas possam fazer a cobertura pelo alto e por trás.

Operantes em treinamento de entrada tática, utilizando uma das muitas variações da técnica Crisscross.

- Jogue com segurança!

—————————————————————————-

VÍDEO DE INSTRUÇÃO – CQB

É importante observar que os times táticos sempre devem atuar em pronta condção de combate. Assim, durante um assalto tático, necessariamente os marcadores devem sempre estar destravados e em pronto emprego. Desssa forma, é importante atentar, ja que se trata de equipe em alinhamento e proximidade, para duas regras báscias em entradas táticas:

Dedo sempre fora do gatilho. Qualquer que seja o mecanismo de projeçaõ (ate marcadores) só ocorrem disparos se o jogador/atirador pressionar a tecla do gatilho. Evita-se assim desperdicio de munição/bolas, aumenta-se a segurança, pois se trata de equipe alinhada, e reduz acidentes táticos, pois um diparo antecipado, ainda que nao fira seu companheiro, poderia alertar aos adversários acerca da presença do grupo oponente às proximidades;

TEAM STACK (time tático)1. A movimentação envolvida na condução do time tático é muito importante. Esse é o momento em que o grupo está mais vulnerável. Por isso, é necessário o completo silencio e segurança em torno do grupo.

2. O primeiro operativo do grupo deverá manter seu marcador em posição de alerta.

3. O segundo operativo do grupo, em silencio, se posiciona atrás do primeiro operativo até o ponto onde eles se encostam mas não se empurram. O segundo operativo deverá manter seu marcador na posição apoiada no ombro, com sua mão de apoio (ou mão fraca) fica apoiada no ombro do primeiro operativo. Esse contato permanece até que seja dado o sinal de prontidão. O segundo operativo mantem seu olhar por cima do ombro do primeiro operativo para garantir que ninguem comprometa o grupo. O segredo do grupo é estar agrupado e utilizar o timming adequado para se mover pelo ponto de entrada como uma unidade única.

4. O terceiro, quarto operativo, etc., deverão se posicionar da mesma maneira que o segundo operativo.

Nota:
A. Se o primeiro operativo estiver na posição de tiro de mão direita, o resto to grupo deverá espelhar a posição dele e permanecer na mesma posição.

B. Em uma time tático, o Líder do grupo deve estar em uma posição para melhor controlar o grupo. O assistente do Líder do grupo deve estar na ultima posição da fileira.

Sinal de prontidão

No monento que o último operativo se agrupa ao time tático, ele passa adianta um firme aperto no ombro do operativo a frente dele. Quando o próximo operativo estiver pronto ele fará o mesmo, esse procedimento seguirá até que o primeiro operativo receba o aperto no ombro. Para que que o operativo atrás dele saiba que ele está pronto, ele movimentara a cabeça para cima e para baixo. Esse movimento será repetido para trás até que o líder do time o receba. Assim que ele o recebe, o time tático está pronto para fazer a entrada tática.

Nota: Assim que um operativo passa o sinal de prontidão, ele retoma o controle de seu marcador primário.

Contagem do Líder do time

Após a prontidão do time tático estar confirmada, o Líder do time iniciará a ação do time tático com uma contagem regressiva. Os operadores terão, cada um, sua função específica durante a contagem baseado em suas posições. Essas funções irão se alterar dependendo se uma granada de tinta será usada ou não na entrada.O líder do time pode interromper a qualquer momento a contagem se existir qualquer problema com a granada ou arrombamento (quando utilizados).
A contagem é feita como abaixo:

“Cinco”:

“Quatro”:

“três”: Ativação da granada (quando utilizada)

“Dois”: Porta é arrombada (quando utilizada)

“Um”: O time não deve ouvir isso

“Execute, Execute, Execute”: O time tático executa a entrada tatica.

Entrando em um ambiente confinado

Ao entrar em um ambiente confinado existem 5 passos que devem ser seguidos em ordem para dominar com sucesso esse ambiente. Eles são:

1. Limpar a entrada. Isso é feito por uma checagem visual, procurando por obstaculos ou armadilhas. Quando a entrada tática for iniciada o operativo precisa ultrapassar a entrada do ambiente.

2. Limpar a área imediatamente posterior a entrada. Isso é feito ao entrar no ambiente, se um ocupante, ou perigo ou obstaculo está no caminho de sua posição dominante, este precisa ser removido.

3. Limpar os cantos. Assim que entrar no ambiente, sua prioridade, com um ou dois homens, deverá ser limpar os cantos da sala.



4. Faça a varredura do seu perímetro de tiro. Enquanto procura estabelecer uma boa posição dominante, Voce deve varrer seu perímetro de tiro a partir de 2 metros do operarivo mais avançado no ambiente.

5. Estabelecer uma posição dominante. Qualquer posição dominante deve estar fora do túnel fatal (entrada do ambiente confinado) e pelo menos a 60cm da parede.



Nota: O Túnel Fatal de Tiro é um cone imagionário que começa no centro da entrada do ambiente confinado e se estende de 60cm a 1m para os dois lados da entrada. Esse é o ponto em que um ocupante atiraria se uma entrada fosse feita no ambiente. Isso é ainda mais provavel se a sala estiver escura e a entrada iluminada pela lanterna tática do operativo.

Fonte: X7og. (Fonte do poster original: Manuais da USMC e manuais da LAPD [Metro Division/SWAT])

Técnica do Muzzle Laser: Em qualquer operação tática, seja ela em treinamento ou combate real, jamais um operador deve apontar a arma para o parceiro, nem que seja num breve instante de movimentação!
Para evitar tal mal, elaborou-se a Técnica do Muzzle Laser, que nada mais é do que o treino e adestramento no uso de Armamento e movimentão tática, simulando que na ponta do cano de cada arma existe um poderoso feixe de Laser, capaz de seccionar alguém em seu caminho.
Com isso, cada operante, ao lembrar que tem um laser poderoso na ponta (fictício) sempre abaixará o cano da arma ao cruzar com qualquer um parceiro à sua frente, mesmo que seja o parceiro que lhe cruze a frente em meio a operação!

É um trabalho de puro adestramento e consciência que visa diminuir a incidência de fogo-amigo!

Ordem de Entrada: É sempre preferível que o time de assalto entre no cômodo do mesmo lado das dobradiças da porta, porque eles terão a própria porta à princípio como escudo de proteção (senão fisico, visual). Justamente por isso, o primeiro elemento sempre entrará na direção oposta à dobradiça, sendo que o segundo homem, fará a cobertura do ângulo da porta, inclusive sobre o que está atrás dela (elemento muito negligenciado em centenas de vídeos de invasão tática lançados no Youtube – Observem isso!).
- Os elementos 01 e 02 são responsáveis pela cobertura de seus respectivos setores, iniciando um escaneamento (busca) do canto para o centro… sendo que os elementos 03 e 04 são responsáveis pela cobertura mais avançada, uma vez que terão sua retaguarda guardada pelos elementos 01 e 02!

Identificação de Elemento Hostil: Depois da entrada tática, cada elemento entra no cômodo com a única intenção de identificar elementos hostis e neutraliza-los no menor tempos hábil possível!
Desta feita, em qualquer momento, assim que um elemento hostil é identificado, o Operante da frente deve partir imediatamente ao enquadramento do hostil – mesmo que este não esteja em seu quadrante de responsabilidade – e o Operante de trás, cobre também imediatamente o setor que o primeiro operante não pode rastrear por estar ocupado na tarefa de enquadramento!
Isso quer dizer que… sempre que alguém entra no cômodo… independente da sua direção, o operante de trás deve automáticamente cobrir a direção oposta!
A entrada tática é algo dinâmico e está passivel de alterações à qualquer momento, justamente pelo fator adversidade. Por isso cada time tático deve treinar intensamente variadas situações, para estar apta e enfrentar estas adversidades e ainda cumprir de forma satisfatória sua missão!

Velocidade: Em entradas táticas, ninguém corre… o passo e firme e contínuo, mas não corrido.
Isso acontece porque quando se entra, precisa-se de firmeza para o enquadramento dos hostis, e em corrida, a chance de sucesso é consideravemente reduzida, além de ampliar-se as possibilidade de quedas com o albarroamento de móveis e estruturas.

Obs.: Só mais uma coisa: Em paintball, ações de CQB deste tipo só são possíveis com a redução do contingente dentro dos cômodos (uma fração de pelos menos 1/3 em relação ao time de invasão).
Isso acontece porque não há condições de se promover a Ação Furtiva, nem o elemento surpresa… da mesma forma, que não há como tomar partido de armas não letais como Flashbangs e Gás Lacrimogéneo, o que diminui drasticamente as chances de sucesso do time de invasão, que deverá entrar num cômodo por uma única passagem (maioria das vezes) e encontrar seus oponentes barricados e só esperando que os alvos pipoquem na sua frente!

Nesse caso, podem ser usadas granadas de tintas ou até mesmo técnicas de entrada c/ lanternas táticas, com o objetivo de desorientar os oponentes.

====================================================================================================
Voltar ao Topo Ir em baixo
Paulo Lopez

avatar

Mensagens : 17
Data de inscrição : 17/11/2010
Time de Paintball : LOBOS PAINTBALL TEAM

MensagemAssunto: Re: Taticas de CQB   Ter 25 Jan 2011, 11:30 am

Artigo Gigante mas mto legal de ler.... gostei
Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Taticas de CQB
Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Delta Base Paintball :: PAINTBALL GERAL-
Ir para: